OLHAR POLITICO –  FALSAS IMAGENS PARTIDÁRIAS

OLHAR POLITICO –  FALSAS IMAGENS PARTIDÁRIAS

Amigos e amigas de Floripa

Não gosto das análises políticas que incorporam os termos “esquerda”, direita”, “centro” extrema direita, extrema esquerda. Em tese não significam nada.  Vamos ajudar a entender Santa Catarina  e a partir daí todo o Brasil.

Os termos “direita e esquerda” remontam à revolução francesa quando os membros da nobreza e clero sentavam-se à direita do Rei e os membros do terceiro estado – a população, à sua esquerda. Mesmo após a revolução esta formatação continuou – na Assembleia Nacional Constituinte, em relação à mesa diretora, jacobinos , mais radicais sentavam-se à esquerda  e os girondinos, moderados à direita. Vem deste tempo este “clichê” inapropriado para definir as correntes políticas atuais.

O segundo elemento importante para analisar as partidos políticos está relacionado ao entendimento filosófico das duas doutrinas que dominam o mundo – o liberalismo de um lado (economia de mercado) e o socialismo de outro (economia planificada). John Lock criou os postulados liberais (direito à vida, direito às liberdades individuais e coletivas, direito à propriedade) no século XVIII.

O socialismo chegou com Marx, se deu mais tarde (século XIX) e sua teoria foi levada à prática 100 anos atrás com a Revolução Russa e todas as suas consequências. Os postulados socialistas são rigorosamente contrários aos ideais do liberalismo, nasceram para combatê-lo,  haja visto, o que aconteceu com as revoluções assassinas, russa, chinesa, Camboja, Cuba, Venezuela, e no Brasil, mais recentemente.

Pois bem, olhemos Santa Catarina – A primeira análise a fazer é quais os partidos que comungam de quais postulados – liberais ou socialistas? São 35 partidos registrados no TSE dos quais 11, inseriram o socialismo no Estatuto Social. Portanto não há nada de esquerda ou direita, há políticos interessados em tomar o poder para implantar um Estado Ditador, sob o comando do “povo”, do proletariado – e outros, que professam os mandamentos de Lock. De forma arrogante e monopolista, os socialistas se dizem os representantes do povo, repetem à exaustão o mantra da defesa dos direitos sociais, atribuindo aos liberais a pecha de “exploradores do povo”. Como a maioria é desinformada, alguns até acreditam nestas bobagens porque nunca leram um livro de historia. Mas é exatamente o oposto.

Pode-se localizar os principais candidatos liberais ao Governo de SC – Amim, Angela Amim, Paulo Bauer, Merisio, Mariani, Udo Dohler, entre outros e o grupo dos socialistas – Afrânio, Décio Lima, Ana Paula, Ouriques, entre outros. Vale observar que politicamente, o grupo liberal pensa igual, o que o distingue são os perfis físicos de seus militantes, um é mais novo, mais interativo,  mais careca, mais experiente, a forma de gerir o Estado, de alcançar os objetivos – um deles pode optar por fazer mais estradas, outro, mais escolas, mas o pano de fundo será sempre de respeito aos contratos e à propriedade com forte tendência a diminuir o tamanho do Estado. Os partidos aos quais pertencem se declaram abertamente liberais. Este modo de pensar deu certo em todo o mundo. Estranho será um deles se misturar com marxistas neste caso, estamos diante de um oportunismo político insuportável.

Já os socialistas desejam um Estado musculoso, abobinam a economia de mercado, o capitalismo, adoram empregar acólitos, abusar dos orçamentos públicos, defendem que os bens e serviços sejam geridos em fábricas cujo CEO seja um burocrata. Em Cuba um modesto botequim é gerenciado por um funcionário do Estado. Ah! Isto é impossível no Brasil!!! Não é não, Durante o Governo do PT estivemos muito perto de um enorme conflito social. Graças ao Mensalão,  Zé Dirceu foi defenestrado e o Brasil escapou de uma provável revolução civil. Ainda estamos pagando o preço daquelas desastradas decisões.

Partidos inofensivos como o PDT visam implantar “uma sociedade democrática e socialista”, o PSB, quer socializar os meios de produção considerados importantes, o PSTU “que a luta de classes só se resolve pela revolução”. O PPS herdeiro do PCB,  se declara humanista, socialista e ambientalista, o PPL se orienta pelos princípios e pela teoria do socialismo cientifico. Vale observar que todos se dizem democratas, o que é uma contradição diante da doutrina que defendem.

É possível que com as Redes Sociais estas discrepâncias políticas sejam quebradas e a informação vai ajudar muitos a votar conscientemente. Custa crer que amigos e conhecidos estejam militando em partidos que praticam ideologias que não deram certo em lugar algum e insistem em implantá-las por aqui.

 


Dilvo Tirloni

Sou Administrador concluí meus estudos de ensino fundamental na cidade de Nova Trento. Os estudos de ensino Médio foram concluídos na cidade de Brusque, no Colégio São Luiz e Consul Carlos Renaux. Sou bacharel em  História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Simultaneamente, cursei Administração na Escola Superior de Administração e Gerência (ESAG). Nesta escola fui contemplado com medalha pelos méritos acadêmicos vindo, então, a ser convidado para cursar o Pós Graduação, nível de mestrado, na Fundação Getulio Vargas, em São Paulo. Concluído o curso de pós-graduação ingressei como professor titular na UDESC/ESAG atuando na área de Administração Financeira e Mercado de Capitais.

Profissional

Professor primário, secundário e universitário. Técnico em Desenvolvimento Econômico do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), especialista em projetos de financiamentos e investimentos, executivo fundador do antigo CEAG/SC, hoje, SEBRAE, Consultor de atividades  empresariais. Presidente da Associação Comercial e Industrial de Florianópolis – ACIF entre 13/05/2005 a 13/05/2009 (4 anos com reeleição) e presidente do Conselheiro do Conselho Superior 2009/2011. Conselheiro do Sapiens Park, Conselheiro do Conselho Municipal do Meio Ambiente, Conselheiro do Conselho Municipal do Saneamento Básico.

Pensamento Político

A história nos ensinou que o melhor caminho para as sociedades é o Liberalismo (Locke) representado por um  conjunto de princípios  baseados na defesa da propriedade privada, liberdade econômica (mercado livre),  liberdade política (vários partidos), liberdade religiosa, mínima participação do Estado na economia mas forte na aplicação da lei, igualdade dos cidadãos perante a lei, livre manifestação do pensamento e expressão.

Publicações

Inúmeros artigos publicados nos jornais de Florianópolis. Coordenou e escreveu os seguintes livros: Prefeitura Municipal de Florianópolis 2004; Novo Modelo Institucional Água e Saneamento, 2006, SC2010, projeto sobre Governo Estadual, 2007; Reforma Tributária Nacional 2008; PMF2012 Reforma Administrativa da Prefeitura Municipal de Florianópolis. Bacias Hidrográficas de Florianópolis, 2008.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *