MOVIMENTO FLORIPA SUSTENTÁVEL – CASAN TARIFAS AMPLIFICADAS

MOVIMENTO FLORIPA SUSTENTÁVEL – CASAN TARIFAS AMPLIFICADAS

Amigos e amigas de Floripa

O saneamento básico é constituído de 4 segmentos – água, esgoto, lixo e drenagens. A inobservância de projetos nestas áreas acarreta enormes problemas à população colocando inclusive em risco, a saúde da população.

A Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (CASAN) foi criada em 1970 sob o regime militar quando as autoridades da época pretendiam ampliar os serviços por todos os Estados da Federação. Foi criada à época também o BNH que oferecia generosos financiamentos aos Estados que abraçassem o novo modelo. Desde então a CASAN vem atuando nos municipios e hoje, apesar de muitos terem abandonado o “sistema” ela atende a 198 cidades. Para viabilizar a Empresa criaram os chamados “subsídios cruzados” uma tarifa inflada com vistas a retirar recursos das cidades maiores para fazer investimentos nas cidades menores. Esta curiosa forma de cobrança continua até hoje.  Enquanto havia financiamentos fartos do BNH o modelo funcionou, depois exauriu-se. Não por outra razão, Lages, Joinville, Itapema, entre outros se afastaram do modelo justamente porque perceberam que estavam “exportando” receitas para outros municípios.

Dos municípios grandes só ficaram Floripa e São José cujas receitas para a CASAN somam nada menos de 44% de sua receita.

Damos a seguir quadro comparativo entre 4 sistemas da Região Sul .consumo entre 20 a 30m3 padrão de consumo médio das famílias brasileiras.

Empresa Agua Esgoto Total Variação
SAMAE BLUMENAU

6,77

-0- 6,77

*

ÁGUAS DE JOINVILLE

7,97

6,77 14,74

147

SANEPAR

10,64

4,89 15,53

140

CASAN

10,84

10,84 21,68

100

*Blumenau não cobra o esgotamento sanitário. O projeto esta em andamento

Por este quadro a CASAN cobra 40% a mais do que a Sanepar e 47% a mais do que Joinville. Em relação a Blumenau, só água, a diferença é de 62%.  É uma exploração indevida que a cidade desconhece. O lamentável desta situação é que os aumentos são “legalizados” pela ARESC uma Agência Reguladora do Governo do Estado. “É a raposa cuidado do galinheiro”.

Enquanto isso nossos passivos ambientais só aumentam.


Dilvo Tirloni

Sou Administrador concluí meus estudos de ensino fundamental na cidade de Nova Trento. Os estudos de ensino Médio foram concluídos na cidade de Brusque, no Colégio São Luiz e Consul Carlos Renaux. Sou bacharel em  História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Simultaneamente, cursei Administração na Escola Superior de Administração e Gerência (ESAG). Nesta escola fui contemplado com medalha pelos méritos acadêmicos vindo, então, a ser convidado para cursar o Pós Graduação, nível de mestrado, na Fundação Getulio Vargas, em São Paulo. Concluído o curso de pós-graduação ingressei como professor titular na UDESC/ESAG atuando na área de Administração Financeira e Mercado de Capitais.

Profissional

Professor primário, secundário e universitário. Técnico em Desenvolvimento Econômico do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), especialista em projetos de financiamentos e investimentos, executivo fundador do antigo CEAG/SC, hoje, SEBRAE, Consultor de atividades  empresariais. Presidente da Associação Comercial e Industrial de Florianópolis – ACIF entre 13/05/2005 a 13/05/2009 (4 anos com reeleição) e presidente do Conselheiro do Conselho Superior 2009/2011. Conselheiro do Sapiens Park, Conselheiro do Conselho Municipal do Meio Ambiente, Conselheiro do Conselho Municipal do Saneamento Básico.

Pensamento Político

A história nos ensinou que o melhor caminho para as sociedades é o Liberalismo (Locke) representado por um  conjunto de princípios  baseados na defesa da propriedade privada, liberdade econômica (mercado livre),  liberdade política (vários partidos), liberdade religiosa, mínima participação do Estado na economia mas forte na aplicação da lei, igualdade dos cidadãos perante a lei, livre manifestação do pensamento e expressão.

Publicações

Inúmeros artigos publicados nos jornais de Florianópolis. Coordenou e escreveu os seguintes livros: Prefeitura Municipal de Florianópolis 2004; Novo Modelo Institucional Água e Saneamento, 2006, SC2010, projeto sobre Governo Estadual, 2007; Reforma Tributária Nacional 2008; PMF2012 Reforma Administrativa da Prefeitura Municipal de Florianópolis. Bacias Hidrográficas de Florianópolis, 2008.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *