PD BRAVATAS DISTRITAIS

PD BRAVATAS DISTRITAIS

Amigos e amigas de Floripa

A bazófia sempre esteve presente nas reuniões distritais do Plano Diretor. Ora eram intimidadoras ameaças a quem ousasse discordar dos interesses “do povo” “aqui quem manda somos nós, meus pais, avós e bisavós”, “você mora aqui no Distrito?” ora com entrega da própria vida “é preciso que passem a motoniveladora por sobre o meu cadáver antes de alargarem a avenida das Rendeiras” ou hilárias “é preciso que a Prefeitura acabe com o berreiro dos cachorros na Costa de Dentro, lá tem duas cadelas no cio”.

Estas fanfarrices comportamentais revelando uma coragem inusitada, indicam que poucos, muito poucos sabiam porque estavam nas reuniões, desconheciam os conceitos de  ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO.

A culpa não era deles e sim do IPUF que nunca encaminhou de forma adequada a questão. Não havia um roteiro, conteúdos programáticos, como faz um professor com seus alunos. Em vez disso eram reuniões abertas para anotar “projetos” da população.

Presumo que muitos técnicos sabiam o que significava PD, mas misturaram com Planejamento Urbano, “se subordinaram ao chefe ainda que contra a vontade”, fugiram dos objetivos e o trem descarrilado continua até agora 11 anos depois.

Para retornar o trem aos trilhos é preciso um esforço hercúleo posto que com 522 artigos, muitos inúteis, outros incompreensíveis, várias audiências públicas, ajuizamento de diversas ações, acordos, só a Câmara de Vereadores, a legitima representante do povo  poderá aprová-lo ou rejeitá-lo (coisa que recomendo) para por equilíbrio no “camelo” produzido.

Era para ser um cavalo de raça mas se até no paraíso, as esquerdas, reunidas em comissões,  tanto fizeram e imploraram para ajudar na construção do universo, porque não, por aqui? Lá, produziram um dromedário. Indagadas para que servia o animal, disseram que seria bom para o deserto. Deus, mesmo contra a sua vontade, aceitou. Esta desconfortável até hoje.


Dilvo Tirloni

Sou Administrador concluí meus estudos de ensino fundamental na cidade de Nova Trento. Os estudos de ensino Médio foram concluídos na cidade de Brusque, no Colégio São Luiz e Consul Carlos Renaux. Sou bacharel em  História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Simultaneamente, cursei Administração na Escola Superior de Administração e Gerência (ESAG). Nesta escola fui contemplado com medalha pelos méritos acadêmicos vindo, então, a ser convidado para cursar o Pós Graduação, nível de mestrado, na Fundação Getulio Vargas, em São Paulo. Concluído o curso de pós-graduação ingressei como professor titular na UDESC/ESAG atuando na área de Administração Financeira e Mercado de Capitais.

Profissional

Professor primário, secundário e universitário. Técnico em Desenvolvimento Econômico do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), especialista em projetos de financiamentos e investimentos, executivo fundador do antigo CEAG/SC, hoje, SEBRAE, Consultor de atividades  empresariais. Presidente da Associação Comercial e Industrial de Florianópolis – ACIF entre 13/05/2005 a 13/05/2009 (4 anos com reeleição) e presidente do Conselheiro do Conselho Superior 2009/2011. Conselheiro do Sapiens Park, Conselheiro do Conselho Municipal do Meio Ambiente, Conselheiro do Conselho Municipal do Saneamento Básico.

Pensamento Político

A história nos ensinou que o melhor caminho para as sociedades é o Liberalismo (Locke) representado por um  conjunto de princípios  baseados na defesa da propriedade privada, liberdade econômica (mercado livre),  liberdade política (vários partidos), liberdade religiosa, mínima participação do Estado na economia mas forte na aplicação da lei, igualdade dos cidadãos perante a lei, livre manifestação do pensamento e expressão.

Publicações

Inúmeros artigos publicados nos jornais de Florianópolis. Coordenou e escreveu os seguintes livros: Prefeitura Municipal de Florianópolis 2004; Novo Modelo Institucional Água e Saneamento, 2006, SC2010, projeto sobre Governo Estadual, 2007; Reforma Tributária Nacional 2008; PMF2012 Reforma Administrativa da Prefeitura Municipal de Florianópolis. Bacias Hidrográficas de Florianópolis, 2008.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *