PDF SUSPENSAS 1000 VAGAS DE EMPREGOS

PDF SUSPENSAS 1000 VAGAS DE EMPREGOS

Amigos e amigas de Floripa

O PDF (Plano Diretor Frankstein) pode servir aos Empregos e ao diabo. São 522 artigos, muitos incompreensíveis, outros inúteis e muitos vocacionados para exterminar o crescimento econômico que é sinônimo de renda, mais impostos e empregos.

Dentre os direitos humanos, nada substitui o emprego. É dele que resultam o atendimento às necessidade fisiológicas representadas por segurança e estabilidade, como proteção contra a violência, proteção para saúde, a alimentação, habitação, lazer, recursos financeiros e outros. Mas não é só, o emprego também resolve as necessidades sociais de status, autoestima e auto realização.

Não por outra razão os Governos nos três níveis tem esta preocupação – como gerar mais empregos. Países desenvolvidos são países que recepcionaram e recepcionam os grandes projetos geradores de desenvolvimento pois sabem que ao seu redor uma miríade de outros investimentos menores vão nascer.

Em Floripa agimos ao contrário. Em nome de uma fantástica preocupação com o meio ambiente, em nome da mobilidade urbana e saneamento básico, não se pode investir.

O caso mais notório foi a Ponta do Coral um investimento internacional que contemplaria um hotel 6 estrelas, uma marina com 300 vagas, a transformação dos modestos pescadores em “uber marinos” e pasmem, 9 praças públicas tudo sob às expensas do projeto, infelizmente, foi mandado às favas. Em qualquer lugar do mundo seria recepcionado com tapetes vermelhos, aqui quebraram o investidor. Operou mediante autorizações e licenças e depois, o prefeito César Jr. cancelou as licenças com enormes prejuízos (15 milhões), irrecuperáveis.

Neste momento as forças do atraso estão organizadas para defenestrar mais um projeto de dimensões mundiais – o aeródromo de Ratones denominado de Costa Esmeralda, 370 hangares, para jatinhos e helicópteros, complexo de laser, comércio e serviço. O MPF recomendou ao IMA (FATMA) que cancele a licença ao projeto, prontamente, atendido pelo seu Presidente. O MPF por sua vez decide atendendo demandas da localidade, de alguns vereadores socialistas e da AMORA (associação de moradores de Ratones) cujos conhecimentos de economia é a mesma de um cacique dentro de um centro cirúrgico.

O Projeto deveria ser rejeitado se afrontasse o Código Florestal mas não é o caso. O PDF com seus 522 artigos pode servir a Deus (empregos) e ao Diabo dependendo do interesse do burocrata. Há cláusulas para tudo inclusive para informar que o PDF não contempla um aeroporto na região.

Na verdade se o Presidente do IPUF, a Câmara de Vereadores, o Prefeito Municipal e o próprio MPF estivessem atentos ao futuro da cidade encontrariam as cláusulas que viabilizaria os investimentos. Dariam um salto adiante e salvariam da pobreza  pelo menos 1000 pais de família. Do jeito que são decididas as questões maiores da cidade, estamos condenados ao subdesenvolvimento, bercário de diferentes crimes inclusive o crime organizado.

________________________________

PROJETO:

Área total do terreno: 217,56 hectares

Área de Intervenção: 47,3 hectares

Área Construída: 15 mil m2

Pista de pouso: 1119mX23m

Pátio de aeronaves: 20 mil m2

Volume de operações: 5 mil por ano

Volume máximo de operações aéreas: 24 por dia

Tipo de Operação: visual

Período das operações: Diurno


Dilvo Tirloni

Sou Administrador concluí meus estudos de ensino fundamental na cidade de Nova Trento. Os estudos de ensino Médio foram concluídos na cidade de Brusque, no Colégio São Luiz e Consul Carlos Renaux. Sou bacharel em  História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Simultaneamente, cursei Administração na Escola Superior de Administração e Gerência (ESAG). Nesta escola fui contemplado com medalha pelos méritos acadêmicos vindo, então, a ser convidado para cursar o Pós Graduação, nível de mestrado, na Fundação Getulio Vargas, em São Paulo. Concluído o curso de pós-graduação ingressei como professor titular na UDESC/ESAG atuando na área de Administração Financeira e Mercado de Capitais.

Profissional

Professor primário, secundário e universitário. Técnico em Desenvolvimento Econômico do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), especialista em projetos de financiamentos e investimentos, executivo fundador do antigo CEAG/SC, hoje, SEBRAE, Consultor de atividades  empresariais. Presidente da Associação Comercial e Industrial de Florianópolis – ACIF entre 13/05/2005 a 13/05/2009 (4 anos com reeleição) e presidente do Conselheiro do Conselho Superior 2009/2011. Conselheiro do Sapiens Park, Conselheiro do Conselho Municipal do Meio Ambiente, Conselheiro do Conselho Municipal do Saneamento Básico.

Pensamento Político

A história nos ensinou que o melhor caminho para as sociedades é o Liberalismo (Locke) representado por um  conjunto de princípios  baseados na defesa da propriedade privada, liberdade econômica (mercado livre),  liberdade política (vários partidos), liberdade religiosa, mínima participação do Estado na economia mas forte na aplicação da lei, igualdade dos cidadãos perante a lei, livre manifestação do pensamento e expressão.

Publicações

Inúmeros artigos publicados nos jornais de Florianópolis. Coordenou e escreveu os seguintes livros: Prefeitura Municipal de Florianópolis 2004; Novo Modelo Institucional Água e Saneamento, 2006, SC2010, projeto sobre Governo Estadual, 2007; Reforma Tributária Nacional 2008; PMF2012 Reforma Administrativa da Prefeitura Municipal de Florianópolis. Bacias Hidrográficas de Florianópolis, 2008.

2 COMMENTS
  • Sandro Silva
    Responder

    Concordo com o Sr. Dilvo em todas as suas colocações.

    1. Dilvo Tirloni
      Responder

      O Brasil de fato é socialista. 60% do PIB é tocado pelo governo. Quando olhamos para a COMCAP ou CASAN achamos normal, mas trata-se de um equívoco. São empresas que deveriam ser gerenciadas pela iniciativa privada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *