PRESIDENCIA ABUSOS ORÇAMENTÁRIOS – INSULTO AO CONTRIBUINTE

PRESIDENCIA ABUSOS ORÇAMENTÁRIOS – INSULTO AO CONTRIBUINTE

SECRETARIA  AGRICULTURA FAMILIAR E DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO

DA SÉRIE INIQUIDADES FINANCEIRAS – EMPRESAS INÚTEIS

 

A Presidência da República é uma instituição cuja liturgia do cargo afasta de imediato qualquer possibilidade de agregar projetos ou ações de caráter “executivo”. Mas há projetos de caráter executivo na Presidência da Republica. Os portugueses dizem que “jabuti não sobe em árvores”, se esta lá é porque alguém quis colocá-lo lá.

A Presidência da Republica é um Centro Orçamentário registra algumas despesas que não lhe dizem respeito. A ABIN vá lá é aceitável, mas o que faz a Secretaria Especial Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, o INCRA, a EBC, a EPL e o Fundo de Imprensa?

 

DIRETA

846.571.371

Agência Brasileira de Inteligência – ABIN

593.853.826

Secretaria Agricultura Familiar do Desenvolvimento Agrário

1.030.424.318

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA

2.890.380.880

Empresa Brasil de Comunicação S.A. – EBC

708.638.189

Empresa de Planejamento e Logística S.A. – EPL

99.116.451

Fundo de Imprensa Nacional

332.228.247

TOTAL

6.501.213.282

 

Vale ressaltar que há o Ministério do Desenvolvimento Social onde estão arrolados centenas de projetos voltados às pessoas desamparadas no campo e na cidade. É incompreensível a sua inserção dentro deste Centro de Custos.

Mas ainda que válido fosse, vejam o valor da Secretaria Especial Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, 1 bilhão de reais para fazer doações e quase 3 bilhões para o INCRA. Tudo somado, quase 4 bilhões de reais.

De ressaltar que durante os últimos 15 anos, os Movimentos Sociais extraíram bilhões dos cofres públicos para ao fim e cabo, continuar tudo como “dantes no quartel dos Abrantes”.

É preciso dar um paradeiro neste festival de abusos do dinheiro público, investi-los naquilo que interessa a educação básica brasileira.


OBS: Dia 9/8 escrevi texto mostrando que uma redução de 10% nas despesas do Orçamento Fiscal, economizaria 179 bilhões dinheiro necessário para acabar com o déficit.


Dilvo Tirloni

Sou Administrador concluí meus estudos de ensino fundamental na cidade de Nova Trento. Os estudos de ensino Médio foram concluídos na cidade de Brusque, no Colégio São Luiz e Consul Carlos Renaux. Sou bacharel em  História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Simultaneamente, cursei Administração na Escola Superior de Administração e Gerência (ESAG). Nesta escola fui contemplado com medalha pelos méritos acadêmicos vindo, então, a ser convidado para cursar o Pós Graduação, nível de mestrado, na Fundação Getulio Vargas, em São Paulo. Concluído o curso de pós-graduação ingressei como professor titular na UDESC/ESAG atuando na área de Administração Financeira e Mercado de Capitais.

Profissional

Professor primário, secundário e universitário. Técnico em Desenvolvimento Econômico do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), especialista em projetos de financiamentos e investimentos, executivo fundador do antigo CEAG/SC, hoje, SEBRAE, Consultor de atividades  empresariais. Presidente da Associação Comercial e Industrial de Florianópolis – ACIF entre 13/05/2005 a 13/05/2009 (4 anos com reeleição) e presidente do Conselheiro do Conselho Superior 2009/2011. Conselheiro do Sapiens Park, Conselheiro do Conselho Municipal do Meio Ambiente, Conselheiro do Conselho Municipal do Saneamento Básico.

Pensamento Político

A história nos ensinou que o melhor caminho para as sociedades é o Liberalismo (Locke) representado por um  conjunto de princípios  baseados na defesa da propriedade privada, liberdade econômica (mercado livre),  liberdade política (vários partidos), liberdade religiosa, mínima participação do Estado na economia mas forte na aplicação da lei, igualdade dos cidadãos perante a lei, livre manifestação do pensamento e expressão.

Publicações

Inúmeros artigos publicados nos jornais de Florianópolis. Coordenou e escreveu os seguintes livros: Prefeitura Municipal de Florianópolis 2004; Novo Modelo Institucional Água e Saneamento, 2006, SC2010, projeto sobre Governo Estadual, 2007; Reforma Tributária Nacional 2008; PMF2012 Reforma Administrativa da Prefeitura Municipal de Florianópolis. Bacias Hidrográficas de Florianópolis, 2008.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *